segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

China

China sob pressão devido à explosão prevista da procura interna 07 fevereiro de 2011


Num momento em que especialistas estão prevendo uma explosão na demanda doméstica da China durante os próximos cinco anos, Pequim está começando a se preocupar com falhas na sua oferta de produtos agrícolas.

Vice-ministro chinês da Agricultura, Chen Xiaohua, soou o alarme em uma entrevista com o negócio e financeiras jornal Shanghai Securities News, em 29 de janeiro de 2011.

Ele declarou que, no período 2011-2015 a China vai consumir um adicional de 4 milhões de toneladas de cereais, 800 mil toneladas de óleo vegetal e 1 milhão de toneladas de carne por ano. Para atender esse aumento na demanda, o governo decidiu aumentar sua produção agrícola e, por conseguinte, aumentar os subsídios ao setor agrícola.

Como parte do seu plano de 12 cinco anos (2011-2015), o governo está planejando introduzir novas medidas para modernizar a infra-estrutura agrícola, aumentar o rendimento dos agricultores ", e combater a especulação excessiva no mercado financeiro agrícola.

novos temores da China só vai confirmar o que todo mundo já concorda em cima - que a explosão na demanda chinesa e mudanças na dieta dos chineses são susceptíveis de aumentar as tensões nos mercados de commodities agrícolas. Por isso, é urgente que a comunidade internacional agir imediatamente para se preparar para essa turbulência e assim evitar medidas proteccionistas, que apenas irá aumentar se os mercados agrícolas estão sob muito estresse.

terça-feira, 18 de Janeiro de 2011

Grã-Bretanha é muito dependente de importações de produtos agrícolas?

10 Januaryr 2011


Durante sua mensagem de Ano Novo, Peter Kendall, presidente do maior sindicato agrícola na Grã-Bretanha, questionou o governo sobre os riscos relacionados à elevada dependência do país da importação de alimentos.

Segundo as previsões nacionais, a população do Reino Unido vai atingir 70 milhões em 2030 comparado a uma corrente de 58 milhões. Estes números sugerem que ao longo dos próximos anos, o país vai se tornar ainda mais dependentes de importações agrícolas. Atualmente, a Grã Bretanha importa mais de 40% de sua comida, comparado a 25% 20 anos atrás, um aumento de 15%. Em 2030, uma refeição fora de dois virão da importação de alimentos.

"Eu não estou sugerindo que temos de adoptar uma abordagem de isolamento para a produção de alimentos, somos uma nação de comércio e comércio também é vital para a nossa segurança alimentar, (...) Mas se nós vamos garantir o abastecimento alimentar no Reino Unido consumidores é do nosso interesse nacional para produzir mais no Reino Unido ". , disse o presidente da NFU (National Farmers Union), cujas palavras foram repetidas no Farmers Guardian em 03 janeiro de 2011.

Por isso, é interessante notar que na Grã-Bretanha, o berço do liberalismo econômico, historicamente envolvida no desenvolvimento do comércio internacional, agora ouve vozes dissonantes, argumentando que a agricultura deve ser protegido contra a liberalização total para garantir a segurança alimentar do país.

"A luta contra a volatilidade dos preços de Segurança Alimentar e Desenvolvimento"

As lições extraídas do Seminário sobre


Conselho Editorial da momagri


Desde 2008 ea crise alimentar que afetou muitos países em desenvolvimento, os especialistas têm refletido sobre as causas da volatilidade dos preços das commodities agrícolas e que se esforça para encontrar soluções para reduzir suas conseqüências negativas. Consequentemente, os líderes políticos estão a considerar os possíveis caminhos para regular os mercados agrícolas, como corroborado pelo presidente francês Nicolas Sarkozy em um discurso proferido no final de 2010, no Allier departamento , quando ele listou os três principais problemas no coração da próxima Cimeira do G20 : A regulamentação dos mercados de commodities agrícolas, a transparência do mercado e viável a criação de uma organização agrícola mundial.

É neste contexto que o seminário sobre "Combate à volatilidade dos preços para a segurança alimentar e desenvolvimento" foi realizada em Paris, este passado 01 de dezembro.

Organizado pelo Grupo de Pesquisa da França e Intercâmbio em Mercado Agrícola Regulamento (Grema) e iniciado pelos franceses do Grupo Interministerial de Segurança Alimentar (GISA) e três ministérios - Negócios Estrangeiros, Agricultura e Economia - A reunião foi assistida por muitos especialistas em questões das flutuações dos preços agrícolas e de regulação do mercado de commodities.

Os objectivos? Para analisar as causas e conseqüências da volatilidade dos preços agrícolas, identificar os meios para atenuar seus efeitos negativos, especificar as condições que justificam a intervenção no mercado e obter uma melhor compreensão das consequências da liberalização do comércio global ea financeirização do mercado agrícola.

O resultado? Os primeiros passos em direção a um consenso foram formadas em torno de várias questões-chave como "prejudiciais" as consequências da volatilidade dos preços, a estabilização do preço e da necessidade de uma maior transparência do mercado. No entanto, ainda não resolvidas, mas questões cruciais foram levantadas, questões que de esforços momagri para responder. Momagri especialmente francês felicita as autoridades o compromisso de organizar, em conjunto com diversos painéis de peritos, um seminário sobre a importância da regulação do mercado agrícola, um assunto em total conformidade com a pesquisa que estamos realizando e com as nossas recomendações. Além das diferentes análises apresentadas durante os debates, que lições podemos tirar do seminário em nosso ambiente atual?

Consensos estão a emergir lentamente e estão questionando o pensamento econômico que prevaleceu durante os últimos anos.

Apesar das controvérsias ainda remanescentes, a maioria dos especialistas - incluindo Peter Timmer, Professor emérito de Economia na Universidade de Harvard, que também falou durante o 04 de junho e 5 de 2009 workshop sobre o modelo momagri - está se reunindo em torno de um primeiro consenso: A elevada volatilidade dos preços das commodities agrícolas é nocivo para todos os agentes envolvidos (produtores, consumidores e transformadores).

Na verdade, foi aceite que a volatilidade dos preços das commodities agrícolas pode levar a graves crises econômicas e sociais, como foi o caso em 2007/08, quando os cidadãos e agricultores em países pobres foram severamente atingidos pelo aumento dos preços. O primeiro aumento de preços aos consumidores afetados de baixa renda, para quem uma parte significativa do orçamento é destinada à aquisição de alimentos. Em seguida, os agricultores foram afetados na medida em que eles estavam esperando preços melhores para suas colheitas, mas foram enfrentados com a queda dos preços resultante. A situação gerou um clima generalizado de incerteza e de marginalização social, agravando a pobreza e promover os distúrbios em países com alta proporção de pessoas empobrecidas.

É por isso que " combater a volatilidade dos preços agrícolas é fundamental para ajudar a muitos agricultores sair da armadilha da pobreza ", afirmou Françoise Gérard, um economista com o Centro Internacional de Pesquisa Agrícola para o Desenvolvimento (CIRAD).

Os especialistas também concordaram sobre o facto de abordar as conseqüências da volatilidade dos preços, sem combater as suas causas é " caro, insuficiente e ineficaz a longo prazo. " 1

Um segundo consenso, em seguida, desenvolvido para reconhecer que a idéia - ainda é aceita pela OMC - que a globalização e liberalização do mercado, eventualmente, estabilizar os preços não é corroborada pelos fatos . Por quê? Devido à natureza específica dos mercados agrícolas, que aliás levou os líderes políticos do pós-guerra anos para implementar as políticas agrícolas, destinado a remediar as conseqüências perniciosas da volatilidade dos preços. "A história se repete", diz o ditado popular, mais uma vez corroborada pelo fato de que atualmente estamos redescobrindo a necessidade de intervir para estabilizar os mercados agrícolas.

Os especialistas estão começando assim a concordar com o fato de que a estabilidade dos preços agrícolas é "desejável" e deve ser alcançado através de vários instrumentos de regulação.

O consenso terceira aborda a necessidade urgente de melhorar a transparência dos mercados e reforçar, por exemplo, o papel das casas de arbitragem internacional . Sobre esta questão específica, os Estados Unidos ea União Europeia estão a trabalhar para um objectivo comum, ou seja, para conter as operações especulativas nos mercados de commodities agrícolas.

O ano de 2011 será um ano de ensaio sobre os movimentos observados desde 2008, que irá aumentar em número e será administrado pelas medidas de controle implantado pela primeira vez pelo governo americano 2 .

Em conclusão, e tal como foi confirmado pelos especialistas presentes no seminário, querendo estabilizar os preços não é inalcançável, mas totalmente viável, desde que saibamos. Estas são as questões em jogo a ser resolvido, sobretudo no âmbito da Cimeira do G20, onde a França detém a presidência rotativa deste ano.

Várias questões importantes permanecem sem solução. Estamos apenas no início de um longo processo de reflexão sobre "como proceder".

Para a volatilidade dos preços das commodities agrícolas para se tornar um dia administrável, ainda precisamos concordar sobre o que deve ser realizado. E nós nem sequer começamos a abordar a questão. várias ideologias estão em oposição direta a respeito da viabilidade de medidas potenciais e seus "efeitos colaterais".

O estudo realizado pela Grema em coordenação com o CIRAD, o GRET e IRAM e apresentada por Françoise Gérard durante a conferência, apresentou a oportunidade de recordar as teorias de regulação e condições que justificam a intervenção nacional sobre os mercados agrícolas internacionais. Um inventário das medidas existentes para evitar as conseqüências da volatilidade dos preços, portanto, mostrou que existem tantas ferramentas implementadas como o número de países envolvidos. Essa apresentação preliminar gerada questões que devem ser respondidas com urgência.

Como podemos estabilizar os preços? A tarefa é complexa, mesmo que certos observadores reconhecem que não fazer nada pode ser mais perigoso e destrutivo de valor no longo prazo.

estabilização dos preços pode ser pesquisado através de uma série de instrumentos e políticas que incluam as especificidades de cada nação.

Vários quadros estão a ser consideradas, nomeadamente a relativa a um preço inferior e um preço máximo três , que ambos permitem definir limites de referência para os diferentes tipos de intervenção. As flutuações dentro de um túnel de preços seria o resultado de "dados fornecidos pelos mercados." Além desses limites fixados no "teto e os preços mínimos", diversos tipos de intervenção seria ativado em física e / ou dos mercados financeiros, bem como com os produtores agrícolas e / ou consumidores.

De fato, uma das questões levantadas durante o seminário foi "Qual o nível de flutuação de preço pode ser determinado como excessivo?

Por seu lado, momagri considera que um certo nível de flutuação de preços é necessário e normal. Toda a questão consiste em definir o nível que põe em perigo os produtores (preços baixos) ou tem um efeito sobre os consumidores (preços mais elevados).

Os opositores a qualquer intervenção estatal direta em mercados governamentais indicam que os governos não devem substituir os jogadores do setor privado. Mas é este o objectivo? Certamente não, pois consiste em evitar falhas de mercado.

O recente anúncio do Governo mexicano sobre a compra de contratos futuros nos mercados de Chicago CBOT financeiras para proteger sua população dos aumentos do preço do milho, compromete o mito segundo o qual qualquer intervenção governamental seria impossível ou prejudicial.

Deve armazenamento governamentais ser usado como um meio de evitar a volatilidade dos preços? Segundo alguns especialistas, as experiências realizadas nos mostrou o "impacto limitado eo alto custo de tal medida", apesar de, verdade seja dita, os dados inadequados na armazenagem de toda o mundo.

Para a momagri, não devemos considerar o conceito de armazenamento por si só, mas dentro de um conjunto de medidas que se complementam. O custo ea eficácia do armazenamento deve ser apreciado apenas em tal contexto global.

Como podemos lidar com a questão das taxas de câmbio no debate sobre a volatilidade dos preços das commodities agrícolas? O tópico está de volta à agenda com os debates sobre a "guerra de moeda", realizada algumas semanas antes no G20 Cimeira de Seul em 11 de novembro e 12, 2010.

A este respeito, momagri publicou recentemente um estudo que, entre outras deduções, conclui afirmando que as taxas de-chave definidos pelos bancos centrais e as taxas de câmbio tornaram-se as principais variáveis da competitividade dos sectores agrícola, devido à combinação de três factores novos:
• O endividamento crescente dos agricultores e dos governos,
• A crescente liberalização dos mercados agrícolas,
• E a financeirização crescente.


Alguns assuntos tabu abordados durante o seminário

- Não Desde mercados agrícolas se auto-regular, eles não podem controlar a volatilidade dos preços, o que legitima a intervenção governamental.

- Nessa mesma linha, é urgente corrigir as falhas dos mercados financeiros para que eles possam exercer plenamente.

- O termo regulação não necessariamente carregam a mesma implicação a nível nacional, regional ou internacional.

- Um dos meios para regular os mercados agrícolas está ao nível do controlo do comércio internacional através das tarifas.

México oficialmente intervém nos mercados financeiros

O aumento dos preços do milho:
10 de janeiro de 2011


Como o preço do milho (milho) e tortillas subir no México, o governo tem declarado que irá proteger a população contra aumentos de preços, por lidar diretamente nos mercados de futuros financeiros. Uma declaração sem precedentes.

Os preços do milho, de fato, um acentuado aumento no mês de dezembro: o preço por alqueire um aumento de mais de 6 dólares, um aumento de quase 46% em comparação a janeiro de 2010, o maior nível desde meados de 2008. Confrontado com esta flutuação, os fabricantes de tortilla ameaçaram aumentar os seus preços em 50%. Um aumento que seria perigoso para o equilíbrio político e social, como tortillas, consistindo principalmente de milho, são o alimento básico de milhões de mexicanos. O país passou por distúrbios alimentares anteriores, em 2007, precisamente por causa da inflação alta em tortillas.

Por conseguinte, temendo tumultos repita, o governo deu um passo sem precedentes. O Ministro da Economia, Bruno Ferrari, anunciado publicamente em 22 de dezembro de 2010, que o governo havia comprado os contratos futuros na Bolsa Mercantil de Chicago para garantir preços razoáveis para os consumidores. 4,2 milhões de toneladas de grãos foram adquiridos pelo governo mexicano, através de opções em mercados futuros e presente, em nome dos profissionais do agronegócio. "O preço ea oferta do milho, será garantido até o terceiro trimestre de 2011", disse o ministro.

Para Richard Feltes, um analista de uma corretora, "esta é a primeira vez que um Estado tem revelado publicamente sua intenção de comprar contratos de futuros" 2 ". Uma declaração que mostra que numa altura em que os preços das commodities agrícolas são cada vez mais voláteis, estamos a assistir ao regresso ousado de intervenção do Estado nos mercados.

1 alqueire é a medida usada nos EUA e para o milho (milho) é equivalente a 0,0254 toneladas métricas.
2 Fonte: Financial Times, 22 de dezembro de 2010.

Chicago: milho e soja no nível mais alto desde o verão de 2008

17/01/2011
Chicago: milho e soja no nível mais alto desde o verão de 2008
Os preços do milho e da soja alcançaram nesta semana níveis inéditos desde julho de 2008 no mercado a termo de Chicago, estimulados pela revisão em baixa da oferta por parte das autoridades americanas.

O bushel (35 l) da soja para entrega em março terminou nesta sexta-feira (14) em 14,2250 dólares, contra 13,65 dólares uma semana antes, uma alta de 4,2%.

O contrato do milho, com o mesmo vencimento, subiu a 6,4875 dólares o bushel, contra 5,95 dólares na sexta-feira passada (7), o que representa uma alta de 9%.

O bushel do trigo também para entrega em março se manteve em 7,7325 dólares, contra 7,74 na semana passada.

Já no contrato do algodão, para entrega em março, o bushel subiu 0,6% na semana, a 1,4144 dólar, contra 1,4060 dólar há sete dias.

O muito esperado informe mensal do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgado nesta semana foi "sem nenhuma dúvida positivo para os preços", comentou Sudakshina Unnikrishnan, do Barclays Capital.

"O contexto para a oferta mundial vinha sendo caracterizado há um ano por uma série de decepções, devido a condições meteorológicas desfavoráveis: inundações no Canadá, no Paquistão e, mais recentemente, na Austrália; seca na Rússia, Ucrânia e Cazaquistão, tempo seco na Argentina", comentou a analista.

O Departamento reduziu a 816 milhões de toneladas suas estimativas de produção mundial de milho para a safra em curso.

A situação parece menos crítica em relação ao trigo, do qual o USDA revisou as estimativas de reservas mundiais.



Fonte: AFP

segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010

Impacto da taxa de câmbio e política monetária sobre a competitividade da agricultura. Uma análise comparativa dos EUA - da União Europeia

http://www.momagri.org/FR/ompetitivite-de-l-agriculture-_810.htmlagence-momagri/Impact-des-taux-de-change-et-de-la-politique-monetaire-sur-la-c

Une approche comparée des politiques agricoles européenne et américaine

Paolo de Castro,
Président de la Commission de l'Agriculture du Parlement européen

Mercredi 17 novembre, le think tank momagri© a organisé à Bruxelles, conjointement avec la Fondation Madariaga - Collège d'Europe et en coopération avec le Comité des Régions, un colloque sur les stratégies agricoles et alimentaires des principales puissances politiques de la planète.

A la question « quels points de convergence et de divergence dans les stratégies agricoles des grandes puissances ? », Paolo de Castro, député européen, ancien Président de la Commission de l'Agriculture du Parlement européen, a exposé la nature et les originalités des politiques agricoles européennes et américaines. Une allocution que nous vous conseillons de lire et dont vous trouverez l'extrait ci-dessous.

--------------------------------------------------------------------------------

Très souvent l'Europe et les États-Unis sont identifiés comme ayant respectivement des politiques agricoles protectrices et libérales. De telles définitions ne peuvent pas être confirmées par les faits.

Tout d'abord, les modèles agricoles de ces deux pays sont très différents. La taille de la ferme américaine est d'environ 170 hectares contre 13 dans l'UE-27.

Le secteur agricole américain est davantage orienté vers les céréales, les oléagineux et la production de volaille alors que dans l'UE le secteur est davantage orientée vers le vin, les fruits et légumes, le lait et la production de porc.

En termes de marché, l'UE reste, sur le plan international, un grand exportateur de vin, les spiritueux, et certains autres produits transformés comme le fromage, mais il a tendance à perdre des parts de marché quand il s'agit d'autres produits. En revanche, les États-Unis sont toujours un acteur majeur sur les marchés mondiaux des matières premières.

Par ailleurs, il y a une grande différence dans le nombre d'agriculteurs : les agriculteurs européens sont plus de 10 millions, soit presque quatre fois plus que les agriculteurs américains qui sont 2.7 millions.

Il n'y a pas moins de différence en ce qui concerne la population générale : un peu plus de 300 millions de citoyens aux États-Unis, et près de 500 millions dans l'Union européenne.

Ces données brèves mais fondamentales montrent les différences entre les modèles agricoles. Les Etats-Unis sont basés sur des productions à grande échelle et les denrées de base, le modèle européen est composé principalement de structures à petite échelle intensive en main-d'œuvre.

Deuxièmement, une analyse plus approfondie des politiques publiques qui s'adressent à ces deux modèles fournit plus d'éléments qui remettent en question le point de vue traditionnel, protectionniste opposé au marché libre.

La première chose que je tiens à souligner ici est que la PAC a parcouru un long chemin ces dernières années, soumise à des processus de modification et s'éloignant de sa structure d'origine. Les aides directes découplées, combinées à la question du développement rural comptent désormais la plus grand part du budget de la PAC, tandis que les frais liés au soutien de la distorsion diminuent.

Cette approche a non seulement rendue l'intervention européenne envers les règles commerciales internationales plus durable, mais a contribué à la création d'un système agro-alimentaire favorable à l'environnement avec les plus hauts standards en termes de qualité, de sécurité alimentaire et de bien-être animal.

D'un autre côté, la « Farm Bill », maintenant connue comme la « Food Conservation and Energy Act (FCEA) », est pratiquement restée inchangée depuis des années, et les mesures de distorsion sont toujours à l'origine de grosses dépenses dans le budget agricole. En fait, la FCEA n'a pas fondamentalement modifié la législation agricole précédente, et maintient beaucoup des mesures existantes.

Plusieurs instruments agricoles américains remontent au début des politiques agricoles mises en œuvre au cours de la dépression des années 1930, quand un grand pourcentage de la population américaine était encore impliqué dans le secteur agricole et avait des revenus particulièrement faibles.

Après une période de réformes, qui a conduite au découplage des aides également aux Etats-Unis, le Farm Bill (la loi-cadre agricole fédérale) initial de 2002 renforce déjà le « filet de sécurité » pour les revenus agricoles donnant un système à trois niveaux :

1. Les paiements directs

2. Les paiements contracycliques

3. Les prêts à la commercialisation

Ce système de soutien est repris avec quelques modifications dans le Food, Conservation and Energy Act de 2008. Les subventions des agriculteurs sont susceptibles d'être plus élevées que par le passé, même si le niveau de soutien agricole futur est difficile à évaluer, car il dépendra des prix et des rendements.

Depuis 1992, l'UE a évolué vers des paiements fixes découplés. Dans le même temps, les États-Unis se sont éloignés de l'idée de découplage. Et je peux dire que l'indexation sur les prix des versements anticycliques mise en place après la loi FAIR contredit l'idée de découplage.

En regardant plus en détail les politiques agricoles américaines, nous pouvons constater que:
• Contrairement aux réformes récentes de la PAC, nous constatons dans la politique agricole américaine une augmentation de certains prix institutionnels et des versements laitiers. Et il existe des paiements couplés additionnels dans le cadre des nouveaux régimes de soutien.

• Contrairement à la réforme de 2003, le Congrès américain a prêté peu d'attention aux négociations de l'OMC. Aussi, la réforme sur le crédit à l'exportation et les nouveaux programmes d'assurances revenus (ACRE) ne répondent pas aux critères de la boîte verte.

• Les niveaux de soutien existant (taux de prêt, paiements directs, paiements contracycliques) fonctionnent encore, tandis que l'UE a consolidé plus de soutien pour un paiement unique par exploitation.

• La politique américaine se concentre davantage sur les filets de sécurité, l'assurance et les versements anticycliques, tandis que l'UE a surmonté les fluctuations de revenus avec des paiements fixes prédéterminés.
La politique agricole des États-Unis a une structure qui relie encore la plus grande partie du soutien au marché (de façon significative dans le cas des paiements contracycliques).

En outre, il est important de ne pas oublier que la majeure partie du budget de la Food, Conservation and Energy Act est destinée à des programmes sociaux (bons d'alimentation). Environ 189 milliards de dollars sont dépensés pour soutenir le coût des bons d'alimentation et l'aide des produits de base (la soi-disant partie « sociale » de la Food and Conservation and Energy Act), tandis qu'en Europe, seulement quelques centaines de millions d'euros sont alloués à des programmes d'aide alimentaire (l'aide aux personnes les plus démunies : environ 500 millions d'euros).

La part destinée à l'assistance nutritionnelle, ainsi que les versements anticycliques, constituent la part variable du budget de la politique agricole américaine. Une telle part peut avoir une grande importance dans les situations de crises comme celle que nous connaissons actuellement. Les dépenses ont beaucoup augmenté ces dernières années, dépassant les 100 milliards de dollars, alors que les dépenses de l'Europe pour la même année sont plus faibles, 82 milliards de dollars (53 milliards d'euros), mais avec un nombre d'agriculteurs quatre fois plus élevé qu'aux États-Unis.

Pour donner un point de repère, on peut dire que les Etats-Unis dépensent en moyenne 0,6% de leur PIB pour l'agriculture, tandis que l'UE en dépense 0,4%.

Ce que j'ai dit précédemment n'est pas un jugement négatif sur la politique agricole américaine. Je crois, au contraire, que l'Europe pourrait introduire certains outils des États-Unis, principalement celles concernant la gestion des risques. En effet, je crois fermement que pour notre future politique agricole nous avons besoin de nouveaux outils pour remédier à l'instabilité du marché, bien évidement en accord avec les règles de l'OMC.

(Fonte: Momagri Newsletter)

sexta-feira, 17 de Dezembro de 2010

Brasil - Produtividade cresce 5,8% ao ano em oito anos

Em 2003, a área plantada com grãos era de 40 milhões de hectares. Oito anos depois, essas culturas ocupam 47 milhões de hectares, crescimento de 17,5%. Na previsão da próxima safra agrícola, essa área praticamente se conserva, apesar do aumento previsto da produção. Isso significa que o Brasil produz mais alimentos numa área que se mantém constante – ou seja, o crescimento das safras se deve ao aumento da produtividade.

O índice médio de produtividade das 14 principais lavouras passou de 2,8 mil kg/ha, em 2003, para 3,1 mil kg/ha, em 2010 – crescimento de 12%. Uma medida mais abrangente da evolução da produtividade considera todos os produtos agropecuários (lavoura e pecuária), e todos os insumos. “Nesse caso, a produtividade tem crescido a uma taxa anual de 5,8% nos últimos oito anos”, observa José Gasques, coordenador de Planejamento Estratégico do Ministério da Agricultura.

O desenvolvimento do setor se explica pela modificação dos processos e técnicas de produção, que hoje incorporam o conhecimento científico e tecnologias de ponta, apontadas entre as mais avançadas do mundo. Isso permite produtividade ainda maior, com o apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que vem contribuindo para a adaptação das culturas às mais diversas condições de clima e solo e dos procedimentos adotados na atividade agropecuária.

O bom desempenho do agronegócio brasileiro é resultado também da capacidade empreendedora dos produtores, que superaram as condições e adaptaram-se às novas tecnologias, melhorando a cada ano seu sistema de produção, com a utilização de máquinas e adoção de sementes mais produtivas.

Mais crédito

Além do fator tecnológico e das boas condições climáticas, ações governamentais apoiaram o avanço da produção de alimentos, com a concessão de crédito agrícola de baixo custo e o fortalecimento e integração das cadeias produtivas agropecuárias. O crédito beneficiou a produção agropecuária empresarial nas áreas de investimento, custeio e comercialização. Os financiamentos concedidos saltaram dos R$ 30 bilhões, em 2003, para R$ 84,4 bilhões, em 2009/2010. Um incremento superior a 181%. E para a atual safra 2010/2011, os recursos chegam a R$ 100 bilhões. Um recorde histórico.

“O crédito rural ainda é importante instrumento de apoio ao agricultor e, nesse sentido, o governo não tem deixado faltar recursos para a produção e a comercialização”, destaca o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Edilson Guimarães. “O volume de crédito tem sido crescente ao longo de todo esse período, mesmo em tempo de crise de liquidez, como ocorreu em 2008”.

Com o aprimoramento da política de crédito, o governo inovou no planejamento da safra 2002/2003, ao condensar diversas linhas de financiamento em grupos de programas, com o objetivo de facilitar o acesso do agricultor aos recursos. Naquela safra ocorreu a possibilidade de redistribuição dos investimentos entre os diversos programas de investimento, favorecendo a aplicação.

Nos três primeiros anos do governo Lula, de 2003 a 2005, houve um aumento significativo na oferta de crédito para o meio rural. A aplicação dos recursos promoveu a modernização da atividade e o acesso a tecnologias de padrão mais elevado, favorecendo a redução do risco e o aumento da competitividade. Nesse período, além de aumentar o volume de crédito, o governo garantiu mais agilidade para que os financiamentos chegassem a tempo aos agricultores e reduziu as taxas de juros.

Novos instrumentos

Ainda no contexto de aperfeiçoamento da política agrícola, também destaca-se a criação de instrumentos privados de financiamento do agronegócio nos anos de 2004 e 2005. São os chamados títulos de crédito do agronegócio: Certificado de Depósito Agropecuário e o Warrant Agropecuário (CDA/WA), Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA), Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA). O objetivo foi atrair poupança interna e externa para aplicação na produção, processamento e comercialização, ou seja, em toda a cadeia dos produtos do agronegócio.

A evidência do êxito desses instrumentos pode ser constatada no volume de operações realizadas desde a sua criação, há cinco anos. Foram distribuídos, num total acumulado de R$ 238 bilhões, 59.196 títulos registrados na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F Bovespa) e na Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip).

Com relação aos gastos do governo federal para o apoio à comercialização e sustentação de preços, desde 2003 até setembro de 2010 foram alocados R$ 13,6 bilhões para a comercialização de 78 milhões de toneladas de algodão, arroz, café, feijão, mandioca, milho, trigo, soja, entre outras. “Hoje, o setor agrícola encontra-se numa situação muito mais favorável do que em 2002”, avalia Silvio Porto, diretor de Política Agrícola e Informações, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Ele considera que o governo fez bem ao voltar a atuar efetivamente no mercado, com a sustentação de preços de produtos agrícolas, e dando aporte na remuneração do agricultor. “Elevamos significativamente os preços mínimos, o que permite pagar a diferença do preço de mercado em relação ao preço mínimo utilizando os instrumentos da subvenção, no caso o Prêmio para Escoamento de Produto (Pep) ou Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro), ou fazendo as aquisições para a formação de estoques públicos por meio do AGF (Aquisição do Governo Federal) e dos Contratos de Opções de Venda”, acrescenta.



Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

sexta-feira, 26 de Novembro de 2010

Relatório do Conselho internacional de Cereais (25/11/2010)

MAIZE: se prevé que la producción mundial de maíz
en 2010/11 disminuya a 810 m. de toneladas (811 m.).
La proyección se ha recortado en 4 m. para reflejar la
reducción de las estimaciones para Estados Unidos y
Brasil. El consumo mundial se sigue estimando en
una cifra récord de 840 m. de toneladas, un aumento
interanual de 27 m. La previsión para el consumo
mundial de maíz pienso se ha reducido en 3 m. de
toneladas a 487 m. (470 m.), reflejando recortes para
Estados Unidos y Corea del Sur. En cambio, se ha
incrementado la proyección para el consumo de maíz
para la producción de etanol combustible en Estados
Unidos; la cifra para la demanda industrial mundial se
ha aumentado en 3 m. de toneladas a 228 m. (218
m.). Se espera que las existencias al cierre
disminuyan en un 20%, alcanzando su nivel más bajo
en cuatro años, de 121 m. de toneladas (152 m.). Se
prevé que el comercio total aumente en un 9% en
2010/11 (julio/junio), con un incremento notable de las
importaciones por parte de la UE, China y Rusia.

quinta-feira, 18 de Novembro de 2010

Subida de preços ameaça provocar nova crise alimentar (Público - 18/11/2010)

Subida de preços ameaça provocar nova crise alimentar
João Manuel Rocha
a As más notícias vêm agora de outro
lado. A subida de preço dos alimentos
nos últimos meses pode provocar
problemas de abastecimento em 2011
e, a menos que as colheitas aumentem
signifi cativamente no próximo
ano, o mundo deve preparar-se para
tempos difíceis.
O alerta é da FAO, a Organização
das Nações Unidas para a Agricultura
e Alimentação, que ontem divulgou o
seu relatório bianual sobre perspectivas
alimentares. O custo das importações
de comida pode ultrapassar este
ano o bilião (um milhão de milhões)
de dólares, devido ao brusco aumento
de preços face a 2009.
O índice FAO Food Price subiu 34
pontos entre Junho, data da divulgação
do anterior relatório, e Outubro,
quando registava uma média de 197
pontos, apenas 16 abaixo do pico de
2008. A factura alimentar dos países
mais pobres deve subir este ano 11 por
cento, valor estimado em 20 por cento
para países com baixo rendimento
e défi ce alimentar.
O aumento de preços deve-se a diferentes
factores, o mais importante
dos quais foram as más colheitas de
alguns produtores-chave, designadamente
Estados da antiga União Soviética,
o que vai implicar uma redução
de stocks e levar a difi culdades no
abastecimento.
A subida começou por se fazer
sentir no mercado de cereais, mais
acentuadamente no trigo e na cevada,
em Agosto, devido a condições climatéricas
desfavoráveis que levaram a
que as previsões de crescimento de
1,2 por cento na produção, adiantadas
em Junho, dessem lugar a um cenário
de queda de dois por cento.
As estimativas da FAO são de que os
stocks de cereais caiam sete por cento,
com baixa mais acentuada na cevada,
35 por cento, milho, 12 por cento, e
trigo, dez por cento. Só nas reservas
de arroz se espera uma subida, da
ordem dos seis por cento. O enfraquecimento
do dólar ajuda também
a explicar a subida de preços, uma vez
que a maior parte das transacções é
feita nessa moeda.
A FAO espera que as reservas, actualmente
maiores do que na crise de
2007/2008, designadamente de arroz
e farinha de milho, alimentos de primeira
necessidade em muitos países
vulneráveis, permitam enfrentar melhor
o problema, mas isso não a impede
de estar preocupada com o efeito
dos aumentos. A apreensão estende-se
aos próximos anos, devido à previsível
diminuição de reservas. “Tendo em
conta a expectativa de quebra geral de
stocks, a dimensão das colheitas dos
próximos anos será um dado crítico
para a estabilidade”, refere.
A expectativa é de que em resposta
à subida de preços os agricultores alarguem
as áreas de cultivo, o que pode
não apenas fazer face às necessidades
mais imediatas como permitir repor
stocks. Mas os cereais não são as únicas
culturas atraentes para os agricultores
– produtos como a soja, o açúcar e o
algodão registaram também aumentos
de preços –, o que “pode limitar as
plantações a níveis insufi cientes para
aliviar o aperto”, diz a FAO.
Neste quadro, assinala a organização,
os consumidores podem ter
que resignar-se a pagar “preços mais
elevados pelos alimentos

sexta-feira, 12 de Novembro de 2010

Desequilíbrio entre as moedas e a agricultura

G20 de Séoul : Comment les déséquilibres monétaires et de change fragilisent-ils l’agriculture européenne?

Communiqué de presse

Paris, le 09 Novembre 2010

G20 de Séoul :
Comment les déséquilibres monétaires et de change fragilisent-ils l’agriculture européenne?

Une analyse comparée Etats-Unis/Union-Européenne montre un avantage économique équivalent à « 50 Airbus A380 » en faveur des farmers américains.

Selon momagri©, think-tank plaidant une nouvelle vision de l’agriculture mondiale, la communauté internationale ne prend pas assez en compte l’impact des déséquilibres monétaires et de change sur le secteur agricole.

Pourtant, les taux de change et les taux directeurs définis par les Banques centrales sont devenus, dans des proportions inconnues jusqu’alors et dans le contexte des crises alimentaires, financières et budgétaires, des variables essentielles de la compétitivité agricole. Une comparaison entre l’Europe et les Etats-Unis (1) l’illustre :
- La sous-évaluation du dollar par rapport à l’Euro a constitué ces deux dernières années un soutien, indirect mais effectif, pour l’agriculture américaine : ce soutien est évalué à 17,8 milliards de dollars en 2008 et à 14, 4 milliards de dollars en 2009 ;
- Les taux d’intérêt plus avantageux pratiqués par la Banque centrale américaine (la FED) par rapport à ceux de la BCE se sont traduits par un avantage de 2,9 milliards de dollars en 2008 et 106 millions de dollars en 2009 pour les farmers américains.
Cela représente au total 20,7 milliards de Dollars en 2008 et 14,5 milliards de Dollars en 2009, soit l’équivalent de 6,5% et de 5% de la valeur de la production agricole américaine.

Pour Christian Pèes, Vice-président de momagri©, « ceux qui subissent ces déséquilibres sont soumis à des pressions permanentes qui s’aggravent d’autant dans les périodes de forte volatilité des prix ».

Selon Pierre Pagesse, Président de momagri©, « il est essentiel de prendre en compte ces variables de change et monétaires dès le prochain G20 car les marchés agricoles, devenus plus instables avec la spéculation, sont porteurs d’une nouvelle crise financière et alimentaire. Sans compter que la menace d’une libéralisation sans régulation du commerce agricole international est toujours présente à l’OMC».

------

(1)– Cette analyse, qui porte sur la réalité des soutiens accordés par les Etats à leur agriculture, a été conduite par momagri© dans le cadre de son projet de développement d’une Agence de notation sur l’agriculture et ses enjeux.

Un premier rapport sur les comparaisons Etats-Unis / Union-Européenne sera publié mi-janvier 2011.

Il permettra de mesurer les soutiens directs (budgets des politiques agricoles) et indirects (politiques financières et monétaires, aides alimentaires …) à l’agriculture pratiqués dans les deux principales régions productrices de la planète.

Une nouvelle nomenclature budgétaire internationale facilitant les comparaisons entre les budgets des Etats a été définie à cette occasion.

Les travaux comparatifs de momagri© se poursuivront en 2011 et traiteront ensuite du Brésil, du Canada, de la Chine et de l’Inde et à terme de tous les grands Etats producteurs. Il sera ainsi possible de tirer des enseignements utiles pour les débats économiques et commerciaux, car fondés sur la réalité des politiques publiques.

L’approche de momagri© participe de la nécessité de disposer de normes communes adaptées à la nouvelle réalité économique, qui est précisément le thème du prochain Forum de Davos (26-30 janvier 2011).

(Fonte: MOMAGRI)

Tensão nos preços

Vives tensions sur les stocks mondiaux de maïs (FranceAgriMer)
Publié le mercredi 10 novembre 2010 - 18h38

Les stocks de maïs sont au plus bas, et le manque de visibilité sur la récolte chinoise masque peut-être une situation encore plus tendue que celle annoncée officiellement, a expliqué FranceAgriMer, mercredi, à l'issue du conseil spécialisé des grandes cultures.

Les stocks de fin de campagne de maïs aux Etats-Unis seraient au plus bas depuis quinze ans, a annoncé le département américain à l'Agriculture, dans son dernier rapport du 9 novembre sur l'offre et la demande mondiale.

Le ratio des stocks par rapport aux utilisations annuelles du pays seraient de 6 % dans ce pays qui assure 38 % de la production mondiale et plus de la moitié des exportations.

« Au plan mondial, les stocks de report seraient également très faibles pour atteindre seulement 15 % des besoins annuels, en dessous du seuil d'alerte de 18 % fixé par la FAO, indique Michel Ferret, chef du service des marchés de FranceAgriMer. L'équilibre reste extrêmement fragile en maïs, d'autant plus que les statistiques officielles américaines misent sur une excellente récolte chinoise de 168 Mt, tandis que certains analystes l'estiment plus volontiers à 155 Mt. »

(Fonte: La France Agricole)